Horse Health HEADING TITLE
Emergency Foal CPR
By Laura Javsicas, VMD, DIPL. ACVIM
Cardiopulmonary resuscitation (CPR) is the restoration of spontaneous circulation and breathing and is used in cases of cardiopulmonary arrest, defined as sudden cessation of spontaneous and effective respiration and heartbeat. This most often occurs in foals suffering from asphyxia or lack of oxygen before and during birth. Although you should call your veterinarian if you suspect a problem, following the “A-B-C-Ds” of resuscitation might help save your foal’s life. 
“A” – Assessment/Airway 
Following a normal delivery, observe the foal for the first 20 seconds to ensure he is breathing. Following a dystocia (difficult birth) or Caesarean section, dry the foal vigorously with his head lowered to help clear the fetal membranes and fluid from the nose so he can breathe (foals are obligate nose breathers; don’t worry about clearing the mouth). Avoid holding the foal upside down to try to increase drainage. 
After a few initial gasps and within 30 seconds, a normal foal should be taking 60-80 breaths per minute. The heart rate should be 60-70 beats per minute. Foals that continue gasping for more than 30 seconds and have a heart rate less than 50 beats per minute, or no heartbeat, require immediate resuscitation. 
“B” – Breathing 
Intubation (through the nose or mouth into the trachea) is the best way to provide an airway and breathe for the foal. Only a veterinarian or trained veterinary technician should intubate. Until your vet arrives, you can use mouth-to-nose resuscitation or a mask resuscitator, although there is a risk of inflating the stomach using a mask resuscitator. Place the foal on its side on a firm, dry surface. To perform mouth-to-nose resuscitation extend the foal’s neck, make sure the nose is cleared, and hold off the down nostril with one hand while breathing into the up nostril. Deliver 10 to 20 breaths per minute; breathing too rapidly can be detrimental. Each breath should visibly expand the foal’s chest. 
“C” – Circulation 
After 30 seconds of breathing for the foal, reassess to determine if chest compressions are necessary – they aren’t required in all cases. If there is no heartbeat, it’s less than 40 beats per minute, or it’s less than 60 beats per minute and not increasing, chest compressions are indicated. 
Place the foal on a firm, dry surface, position rolled towels or sandbags underneath the thorax, and put the resuscitator at the foal’s spine. Kneel or stand and place your hands on top of each other just behind the foal’s triceps at the highest point of the thorax (see photo above). With the shoulders directly over the foal and the elbows locked, use the entire upper body to compress the thorax. Compress the entire thorax, not just the heart. There is a risk of fracturing ribs or lacerating the lungs with fractured ribs, but you shouldn’t avoid chest compressions. 
Perform compressions at a rate of 80-120 per minute. Relieve the resuscitator every two to three minutes, if possible, because he/she will quickly become fatigued. Continue breathing for the foal throughout the compressions. If there is only one person available, give one breath for every 10 chest compressions. 
“D” – Drugs 
Always perform ventilation and compressions first. If there is no heartbeat after one minute of these activities, drug therapy might be indicated. However, human studies show prognosis is poor at this point and drugs might not help. 
When to Stop 
If you’ve performed CPR for 15 minutes with no response, success is unlikely. If the foal is responding, continue CPR. Once a foal’s heartbeat is faster than 60 beats per minute, you can discontinue chest compressions. Once he’s taking more than 16 spontaneous breaths per minute and has a heart rate of 60 beats per minute or faster, you can stop breathing for the foal. 
After resuscitation, foals require intensive care and monitoring, as they have suffered a hypoxic event and might suffer cardiac arrest. They should be referred to a clinic or hospital for such care.
Ask your veterinarian to help you assemble a “crash cart” for the barn. 
AAEP Forum article courtesy of The Horse magazine, an AAEP Media Partner.

Perfusão regional 

Publicado: 7 de março de 2016 em Sem categoria

Belo texto em parceria com a Infoequestre. 
Clique abaixo no link
Perfusão regional


L. B. Williams, J. B. Koenig, B. Black, T. W. G. Gibson, S. Sharif, T. G. Koch

Summary
Reasons for performing study
Improvement has been reported following intra‐articular (i.a.) injection of mesenchymal stromal cells (MSCs) in several species. These observations have led to the use of i.a. MSCs in equine practice with little understanding of the mechanisms by which perceived improvement occurs.
Objectives
To evaluate the effect of i.a. allogeneic umbilical cord blood (CB‐) derived MSCs using a lipopolysaccharide (LPS) induced synovitis model. We hypothesised that i.a. CB‐MSCs would reduce the inflammatory response associated with LPS injection.
Study design
Randomised, blinded experimental study.
Methods
Feasibility studies evaluated i.a. LPS or CB‐MSCs alone into the tarsocrural joint. In the principal study, middle carpal joint synovitis was induced bilaterally with LPS and then CB‐MSCs were injected into one middle carpal joint. Lameness, routine synovial fluid analysis, and synovial fluid biomarkers were evaluated at 0, 8, 24, 48 and 72 h.
Results
LPS injection alone resulted in transient lameness and signs of inflammation. In joints untreated with LPS, injection of 30 million CB‐MSCs resulted in mild synovitis that resolved without treatment. Mild (grade 1–2) lameness in the CB‐MSC‐treated limb was observed in 2 horses and severe lameness (grade 4) in the 3rd, 24 h post injection. Lameness did not correlate with synovitis induced by CB‐MSC injection. Simultaneous injection of LPS and CB‐MSCs resulted in significant reduction in synovial fluid total nucleated, neutrophil and mononuclear cell numbers compared with contralateral LPS‐only joints. No difference was detected in other parameters associated with synovial fluid analysis or in synovial fluid biomarkers. The incidence of lameness was only different from baseline at 8 h, where horses were lame in CB‐MSC limbs.
Conclusions
Allogeneic CB‐MSCs reduced synovial fluid cell populations and stimulated mild self‐limiting inflammation in the synovitis model. Continued evaluation of the effects of i.a. CB‐MSC therapy on synovitis in horses is needed to evaluate anti‐ and proinflammatory properties of CB‐MSCs. Immediate interests are dose, timing of treatment, and treatment frequency.


A Orva -Obstrução recorrente das vias aéreas é uma patologia comum nos animais estabulados e os tratamentos com terapias celulares demonstram ser eficazes e promissores!

o que é ORVA?

A obstrução recorrente das vias aéreas é uma enfermidade que não tem cura e causa transtornos devido às limitações atléticas, ao desconforto respiratório e lesões pulmonares que podem causar nos equinos acometidos. A fisiopatogenia da doença ainda não está completamente esclarecida e o tratamento tem como objetivo reduzir a inflamação das vias aéreas e proporcionar maior conforto respiratório. Para tal, recorre-se ao uso de medicamentos, principalmente broncodilatadores e corticóides, e à retirada do animal do ambiente que provoca as crises, reduzindo-se a exposição aos prováveis alérgenos envolvidos: mofo, poeira ou alimento particulado. Este trabalho faz uma breve revisão de literatura do que se sabe sobre a ORVA, inclusive quanto às perspectivas das pesquisas atuais.

OBSTRUÇÃO RECORRENTE DAS VIAS AÉREAS (ORVA) Patrícia de Castro Duarte

O trabalho a seguir demonstra que estamos no um caminho certo!!!!

A terapia celular realmente é uma realidade na medicina veterinária equina!

 

RESPOSTA CELULAR DO TRATAMENTO COM INSTILAÇÃO TRAQUEAL DE CÉLULAS MONONUCLEARES AUTÓLOGAS DERIVADAS DA MEDULA ÓSSEA EM EQUINOS COM OBSTRUÇÃO RECORRENTE DAS VIAS AÉREAS Fernanda Zettel Bastos1 , Fernanda Cristina Mendes Barussi 1 , Felipe Yukio Ishikawa Fragoso 2 , Lidiane Maria Boldrini Leite2 , Alexandra Cristina Senegaglia 2 , Pedro Vicente Michelotto Jr 1 1Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal, Escola de Ciências Agrárias e Medicina Veterinária, PUCPR 2Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, Escola de Medicina, PUCPR

Palavras-chave: Macrófago Alveolar;Neutrófilo;Fluido do Lavado Broncoalveolar;Terapia Celular;Citologia

Resumo:

Introdução: A Obstrução Recorrente das Vias aéreas (ORVA) é uma doença inflamatória e obstrutiva, comum em cavalos adultos estabulados. A ORVA não tem cura e o tratamento com corticoesteróides possui efeitos colaterias, o que leva à busca por novas terapias. Objetivo: Avaliar a segurança e a resposta a nível celular das células mononucleares derivadas de medula óssea (CMNDMO) como tratamento de cavalos com ORVA crônica. Material e Métodos: Oito cavalos foram incluídos no estudo, divididos aleatoriamente em grupo tratado com única instilação traqueal de CMNDMO (Gcel) e outro com terapia convencional de dexametasona oral por 21 dias (Gdex). Os tratamentos iniciaram a partir da confirmação do quadro clínico e os animas foram avaliados antes do início do tratamento (0 dia), aos 7 e 21 dias.  Após a sedação dos animais com detomidina e cloridato de petidina, coletou-se o fluido do lavado broncoalveolar (LBA) com instilação de 500 mL de solução salina estéril a 37°C. A partir do fluido do LBA foi feita a avaliação citológica diferencial e a análise da atividade dos macrófagos alveolares (adesão e fagocitose). A análise estatística foi realizada ANOVA one-way, seguida do teste de Tukey de múltipla comparação. Resultados: Em ambos os tratamentos, a percentagem de neutrófilos reduziu significativamente na avaliação dos 7 dias (Gdex p<0,0001 – Gcel p=0,004) e 21dias (Gdex p<0,0001 – Gcel p=0,023) em comparação com a avaliação inicial. Essa diminuição foi acompanhada pelo aumento significativo no número de macrófagos alveolares, igualmente aos 7 dias (Gdex p<0,0001 – Gcel p=0,0012) e 21dias (Gdex p=0,0006 – Gcel p=0,0026). A adesão e a fagocitose do macrófago alveolar apresentaram aumento significativo apenas no grupo Gdex (p<0,05). Conclusão: o tratamento com CMNDMO se mostrou seguro, foi equivalente à terapia com dexametasona na melhora do perfil de células do fluido do LBA, e mostrou-se superior na regulação da atividade do macrófago alveolar.

Agradecimentos: CNPq, Polícia Militar do Parana

POSTER  COMPLETO EXPOSTO NA ABRAVEQ – orva

[Cod. Trabalho : 1341]

Falso Veterinário Preso

Publicado: 8 de janeiro de 2016 em AMENIDADES
Tags:

Falso veterinário é preso em flagrante

Diante de várias perguntas sobre sua formação profissional, o suspeito não soube informar sua qualificação.

07 de Janeiro de 2016 às 02:42min

maleta

Tubarão

Um homem de 57 anos, de Tubarão, foi detido na tarde de ontem por exercício ilegal da profissão. Uma equipe da Polícia Civil da Divisão de Combate a Furtos e Roubos (DCFR) prendeu o veterinário em uma clínica.

O suspeito foi identificado pelos policiais após ocorrerem inúmeras denúncias que alertavam que ele medicava animais doentes, porém os mesmos não apresentavam melhoras após o atendimento. Diante dos fatos uma investigação foi realizada.

O suspeito foi abordado quando atendia um cliente e aplicaria uma injeção em um animal. Ele inicialmente se identificou como veterinário. Depois, ao ser questionado sobre sua qualificação, respondeu que não possuía documento, nem mesmo curso necessário para exercer a profissão.

No local também foi apreendida uma maleta com diversos medicamentos de uso veterinário, bem como seringas e outros materiais. Ele foi conduzido à Central do Plantão Policial (CPP) para os procedimentos.

 

fonte:http://www.notisul.com.br/n/ultimas/falso_veterinario_e_preso_em_flagrante-55872

Ética Profissional

Publicado: 5 de janeiro de 2016 em Sem categoria

Clique e leia:
Artigo da Culuna do site da INFOEQUESTRE


Este pequeno relato de caso de uma estagiária, a futura Médica veterinária Katia Bakker evidencia dois fatos muito importantes para a formação acadêmica do aluno:

A vivência da prática no estágio, seja ele curricular ou não, é essencial para o complemento da sua formação.

O aproveitamento dos casos clínico-cirúrgicos do dia a dia do veterinário tutor do estágio deve ser aproveitado ao máximo, sendo o relatório diário e relatos de casos, após aprofundamento e estudos executados pelo aluno, uma excelente maneira para fixar o conhecimento e aprendizado teórico-prático.

Sendo assim, parabenizo a aluna pela sua apresentação.

Jose Joffre martins Bayeux – Médico Veterinário – CRMV-SP 8767

 

Resumo

Este relato de caso tem o objetivo de descrever o procedimento cirúrgico eletivo de orquiectomia, realizado em potro ½ sangue Quarto-de-Milha, de 24 meses e peso 350Kg, pelo MV. Dr José Joffre Bayeux, na cidade de Ibiúna/SP. O procedimento foi realizado a campo, com animal em estação, sedação e anestesia com detomidina, butorfanol e lidocaína, utilizando a técnica aberta.

 

Introdução

A castração eletiva é utilizada em animais sem interesse genético para remover as características andrógenas primárias. Ela favorece o convívio em grupo, facilita o manejo, melhora o desempenho e pode evitar futuras neoplasias, como seminoma, teratoma testicular, sertolioma e tumores das células intersticiais. (FRANÇA, 2005)

Segundo Finger et al. (2011), a orquiectomia bilateral é uma cirurgia simples e rotineira na prática equina, embora o potencial para complicações seja alto.

A castração de cavalos com testículos normais pode ser realizada utilizando sedação e anestesia local, quando em estação, ou sob anestesia geral, quando em decúbito. (SEARLE, et al., 1999)

Kersjes et al. (1986), apud França (2005), descreve 4 técnicas de castração no equino:

Técnica aberta: Todos os tecidos do escroto e túnicas vaginais são incisados e o testículo e cordão espermático são removidos. Este método é facilmente realizável a campo e pode ser realizado em decúbito, sob anestesia geral ou posição quadrupedal, sob anestesia local. A principal desvantagem desta técnica é que uma porta de entrada para a cavidade peritoneal permanece aberta, existindo o risco potencial de prolapso intestinal por esta abertura.

Técnica fechada: A emasculação envolve as túnicas vaginais e o cordão espermático conjuntamente, reduzindo o risco potencial de prolapso intestinal. Este método é usado em animais portadores de hérnias escrotais presentes ou suspeitas. No entanto, apresenta o inconveniente de permitir o acúmulo de líquido inflamatório.

Técnica semi-fechada: Semelhante à técnica aberta, onde todos os tecidos são incisados, porém, após a retirada dos testículos e cordão espermático, é feita a síntese da túnica vaginal.

Fechamento primário: É a castração em que se intenta a síntese da ferida escrotal. Deverá ser efetuada apenas sob condições de estrita assepsia.

A hemostasia é um aspecto muito importante na castração e pode ser dividida em três modalidades: hemostasia por tração; por ligadura e por emasculador. (HICKMAN et al., 1995, apud FRANÇA, 2005).

A artéria testicular faz parte do cordão espermático e é um ramo direto da aorta abdominal, portanto, uma hemorragia fatal pode ocorrer. (MAY & MOLL, 2002, apud FRANÇA, 2005).

Geralmente são empregados para hemostasia, emasculadores ou fios absorvíveis que, dependendo da qualidade, podem romper-se durante a aplicação do nó, ou serem reabsorvidos precocemente. O desenvolvimento e o aprimoramento dos materiais de sutura têm sido notáveis, tendo oferecido ao cirurgião ampla variedade de fios absorvíveis e inabsorvíveis. (FRANÇA, 2005)

Segundo Finger (2011), Cox (1984) relatou em um estudo envolvendo 311 castrações em que a técnica cirúrgica utilizando o emasculador apresentou maior taxa de sangramento, quando comparado à técnica de ligadura do cordão espermático. O que está de acordo com Silva et al. (2006), que relataram um caso de óbito associado ao uso do emasculador.

As complicações pós castração relatadas incluem edema, hemorragia excessiva, eventração por prolapso visceral através do canal inguinal, funiculite, peritonite, hidrocele, lesões penianas e permanência de comportamento de garanhão. (SEARLE, et al., 1999)

O edema é a complicação mais comum pós-castração, ocorrendo em algum grau em praticamente todos os cavalos e segundo Getman (2009), se resolve em dez a doze dias. A infecção no local é a segunda complicação mais frequente, com uma taxa que varia de 3 a 20% dos casos e o uso de ligaduras parece aumentar estas taxas. (FINGER et al., 2011)

Segundo Mason et al. (2005) apud França (2011), a taxa de complicações em castração de equinos em estação e em condições de campo é de 22%, enquanto cavalos castrados no centro cirúrgico, com fechamento primário da incisão apresentam 6% de complicações.

 

Material e métodos

O pré-operatório consistiu no jejum alimentar de 18 horas. Antes da cirurgia, foi realizado exame físico do paciente, que apresentou aumento de FC de 60 bpm, possivelmente por estresse da manipulação. Os demais parâmetros vitais estavam normais. Foi feita lavagem da região inguinal e parte interna da coxa, com água e detergente e depois enfaixada a cauda com atadura. Foi realizada antissepsia com Polivinil Pirrolidona Iodo – PVP-I em solução degermante, contendo 1% de iodo ativo (Riodeine®), em toda região inguinal, face medial da coxa, saco escrotal e parte externa do prepúcio e aplicação de 10.000 UI de soro antitetânico IM. (Foto 1)

 

1

Foto1: Paciente preparado para o procedimento

 

A sedação e analgesia visceral foram feitas utilizando um alfa 2 agonista, Detomidina, com concentração 10% (10 mg/ml), na dose de 0,02 mg/Kg e um opioide, Butorfanol 10% (10 mg/ml), na dose de 0,04 mg/Kg, por via intra-venosa. A anestesia local foi realizada com lidocaína 10% (100 mg/ml), utilizando-se um volume de 2 ml para o local de incisão da pele,   10 ml divididos  entre o interior de cada testículo e funículo espermático.

A orquiectomia teve início do lado esquerdo. Foi realizada a incisão com bisturi, respeitando as camadas: pele e subcutâneo, túnica dartos, túnica albugínea parietal e  vaginal para exposição do testículo. Foram removidas excessos das túnicas com tecido solto para reduzir o espaço morto e melhorar a cicatrização.

Foi feito o esmagamento do funículo espermático com emasculador, durante 8 minutos. Durante esse período, foi feita a transfixação do funículo com fio absorvível polilactina 910 (Vicryl®) número 1. Após a transfixação, foi deixada a ponta do fio presa a uma pinça hemostática para não perder o coto do funículo. O testículo foi retirado com incisão por bisturi. Foi retirado lentamente o emasculador e observado se haviam hemorragias. (Foto 2)

2

Foto 2: Emasculação do testículo esquerdo

Para realização do procedimento do lado direito, foi necessária reaplicação de metade da dose de butorfanol e detomidina. A incisão, emasculação e retirada do testículo direito foi realizada da mesma forma que a do lado esquerdo. (Foto 3)

3

Foto 3: Incisão da pele e exposição do testículo direito

 

Após o procedimento, foi realizada lavagem com água e limpeza com gaze encharcada de PVP-I e depois, secagem com gaze seca. A cicatrização foi por segunda intenção, para permitir a drenagem dos líquidos inflamatórios.

O paciente retornou rapidamente da anestesia e foi colocado na baia, onde recebeu alimentação a base de feno, algumas horas depois.

O pós-operatório consistiu em repouso na baia nas primeiras 24 horas para observar possíveis hemorragias, e lavagem com água corrente, aplicação de PVP-I com gaze encharcada, secagem com gaze seca e posterior aplicação de Coumafós + Propoxur em pó (Tanidil ®), uma vez ao dia e alimentação a base de feno.

Foi administrado antibiótico à base de Penicilina (Agrosil®), 10.000UI por dia, durante 7 dias, IM e anti-inflamatório não esteroidal à base de Fenilbutazona (Fenilvet®), 4,4mg/kg, durante 5 dias, IV.

A partir do segundo dia, o paciente retornou à dieta normal e começou a fazer atividade física uma vez ao dia (20 minutos de trote em círculo, na guia) para drenagem do líquido inflamatório, antes da lavagem e curativo.

Após uma semana da cirurgia, observou-se que a ferida cirúrgica não tinha mais secreção. Foi observado leve edema no prepúcio e o paciente passou a ficar solto em piquete durante o dia e embaiado à noite. (Foto 4)

4

Foto 4: Ferida cirúrgica após 7 dias do procedimento e edema de prepúcio

 

Após dois dias nesse regime, o edema do prepúcio desapareceu. 21 dias após o procedimento, a ferida cirúrgica estava completamente seca e cicatrizada. (Foto 5)

5

Foto 5: Ferida cirúrgica após 21 dias do procedimento e edema de prepúcio

 

Conclusão

Na cirurgia descrita, observou-se que a anestesia utilizada foi eficiente na contenção e analgesia do paciente e permitiu um retorno muito rápido após o procedimento.

A realização do procedimento em estação evitou a possibilidade de transtornos e lesões durante a derrubada e retorno da anestesia e danos respiratórios por compressão do pulmão ou nervos periféricos dos membros torácicos ou pélvicos durante a cirurgia.

A técnica aberta, com retirada do excesso de tecido das túnicas, impediu a formação de hidrocele, seromas, abcessos ou infecções, citados na literatura como complicação da técnica fechada. Nesse sentido, contribuíram o respeito à antissepsia e às técnicas cirúrgicas durante o procedimento.

A utilização da transfixação com fio absorvível de boa qualidade acarretou mais segurança na hemostasia, que a utilização apenas do emasculador.

Não foi observada evisceração pelo anel inguinal, como citado na literatura para utilização de técnica aberta.

O pós-operatório com atividade física, limpeza e curativos diários, nas duas primeiras semanas de recuperação teve uma contribuição importante na evolução da ferida cirúrgica.

A formação de edema no prepúcio, ocorrida após uma semana do procedimento, desapareceu após a mudança de manejo, deixando o animal solto em piquete durante o dia.

A partir deste relato de caso, concluiu-se que a utilização da técnica aberta com paciente em estação para realização de orquiectomia bilateral se mostrou um método seguro, simples e com pós-operatório com mínimas complicações.

 

Bibliografia consultada:

FINGER, M. A. et al. Comparação de duas técnicas de orquiectomia em eqüinos, empregadas no ensino da técnica cirúrgica veterinária. Archives of Veterinary Science. v.16, n.3, p.53-59. Curitiba, 2011.

FRANÇA, R. O. et al. Ovariectomia e orquiectomia em equinos: uso da abraçadeira de náilon na hemostasia preventiva em comparação ao categute e emasculador. Dissertação – Mestrado. Escola de Veterinária da Universidade Federal de Goiás. Goiânia, 2005.

SEARLE, D. et al. Equine castration: review of anatomy, approaches, techniques and complications in normal, cryptorchid and monorchid horses. Australian Veterinary Journal. v. 77, n. 7,  Melburne, 1999.

 


Com menos de dez anos no Brasil, tecnologia tem sido aplicada para diversas doenças neurológicas, oftalmológicas, fraturas, entre outras

POR CASSIANO RIBEIRO E FERNANDO MARTINHO, DE CAMPINAS (SP)

As células tronco usadas no tratamento de cavalos são as mesenquimais (não embrionárias), coletadas de fêmeas com até dois anos de idade. O material é retirado de pequenas amostras de tecido adiposo (gordura), coletados em procedimentos cirúrgicos de castração.

A principal característica das células tronco é a capacidade de regeneração de órgãos e tecidos que sofrem por algumapatologia. Por serem indiferentes, sem ter uma função definida, as células ao serem multiplicadas e injetadas no organismo, agem diretamente nos pontos com as enfermidades.

O material produzido em laboratório é distribuído em todo o Brasil. Maior parte das aplicações tem sido em cães e gatos. O custo por aplicação fica entre R$ 1,5 mil a R$ 2 mil, dependendo da doença e do protocolo (quantidade de doses e como será feita a aplicação), afirma a diretora científica do laboratório Regenera, Michele Andrade de Barros.  Em alguns casos, duas injeções são suficientes para devolver movimentos perdidos por patologias comuns.

clique aqui e assista o vídeo


O QUE É MORMO?

O mormo, também conhecido como “Lamparão” ou “Catarro de Burro” é uma doença infecto-contagiosa causada pela bactéria Burkholderia mallei , que acomete principalmente equídeos (equinos, asininos e muares) e pode atingir outras espécies, como pequenos ruminantes,cães, gatos e inclusive o homem; portanto uma zoonose. É endêmica em eqüídeos da região Nordeste brasileira e, nos últimos anos, as regiões Centro-oeste, Sudeste e Sul do país, anteriormente consideradas livres, tiveram casos notificados com números crescentes de focos.

MORMO: SINTOMAS NOS ANIMAIS

O período de incubação da doença é variável de uma semana a meses dependendo do estado imunológico e condição sanitária dos animais. Nos equídeos – equinos, asininos e muares – os principais sintomas são emagrecimento progressivo, febre, quadro respiratório com secreção nasal purulenta, com ou sem sangue, tosse, úlceras em mucosas, granulomas na pele que ulceram e cicatrizam em forma de estrela, e nódulos seqüenciais em cadeias linfáticas, conferindo aspecto de rosário. Na infecção crônica, a secreção nasal é mais discreta, confundindo-se com outras afecções respiratórias. Dissemina-se facilmente entre eqüídeos pelo contato com feridas e secreções muco purulentas do animal doente ou indiretamente por meio de bebedouros, comedouros ou equipamentos de uso comum contaminados. Muitas vezes, os animais são assintomáticos e portanto portadores da bactéria e mantenedores da infecção no grupo.

MORMO: TRANSMISSÃO PARA HUMANOS

O homem se infecta pelo contato com feridas e secreções muco purulentas; pela inalação de aerossóis e poeira contaminadas com secreção durante a lida com eqüídeos, cães e gatos infectados; na realização de necrópsias; no uso de instrumentos contaminados; e no manuseio de amostras clínicas de animais doentes no laboratório. Por isso, o mormo é considerado uma doença ocupacional para médicos veterinários, treinadores e tratadores. A transmissão entre pessoas é rara, apesar de ser possível pelo contato com secreções e feridas. O contato sexual e a amamentação não devem ser estimulados durante a vigência da doença.

MORMO: SINTOMAS EM HUMANOS

Em humanos, a doença normalmente se manifesta no período entre cinco a 14 dias após a infecção. Tanto no equino como no homem, a bactéria localiza-se nos pulmões, mucosa do nariz, laringe e traquéia. Inicialmente os sintomas podem ser inespecíficos, como mal estar geral, enjôo, perda de apetite, tontura, dor muscular e forte dor de cabeça. Posteriormente, evoluem com febre, suor noturno, diarréia, úlceras em mucosas, pústulas e abscessos cutâneos em diversas partes do corpo, gânglios doloridos, secreção nasal purulenta, edema da face, nariz e septo nasal, dificultando a passagem do ar. O resultado são pneumonia e broncopneumonia.

MORMO: COMO DIAGNOSTICAR

O diagnóstico deve levar em conta aspectos clínico-epidemiológicos, anátomo-patológicos e os resultados de exames dos animais, para os quais várias técnicas laboratoriais estão disponíveis, como previsto na Instrução Normativa 24 do MAPA. O diagnóstico do mormo em humanos pode ser feito por cultivo e principalmente por PCR de amostras clínicas de sangue e das lesões. O raio-x do pulmão é indicado para avaliar o comprometimento deste órgão, mas não serve para confirmar o diagnóstico da doença de mormo. O diagnóstico humano conta com o serviço do Ambulatório de Zoonoses do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, Avenida Doutor Arnaldo, 165 – São Paulo. Telefone: 3896-1200. E-mail: marcos.silva@emilioribas.sp.gov.br . As consultas podem ser agendadas por telefone ou no site do hospital

MORMO: TRATAMENTO E PREVENÇÃO

Até o presente momento não há tratamento ou vacina para animais confirmados positivos. Estes devem ser sacrificados e as propriedades interditadas até que sejam liberadas como livres de mormo pelo Serviço Veterinário Oficial.

Em humanos, o tratamento é feito a base de antibióticos e deve ser iniciado imediatamente, em ambiente hospitalar, pois a mortalidade para indivíduos não tratados pode chegar a 90%. Dentre os que recebem tratamento adequado, o sucesso pode ser de apenas 50% dos casos.

Para prevenção, é recomendada a utilização de equipamentos de proteção individual na lida com animais. Não existem vacinas disponíveis.

MORMO: COMO PROTEGER OS MEUS ANIMAIS

Mantenha sempre em dia os exames de seus animais, incluindo mormo. Não permitia a entrada de animais sem atestado sanitário em sua propriedade. Não participe de feiras e eventos onde não haja controle sanitário oficial. Divulgue o assunto entre as entidades e sociedades do meio equestre, conscientizando-as do risco real que o mormo representa para todos. Consulte sempre o médico-veterinário.

MORMO: O PAPEL DO MÉDICO VETERINÁRIO

O Médico Veterinário tem papel fundamental para o controle do mormo, grave doença infectocontagiosa. Deve instruir proprietários, tratadores, treinadores e demais profissionais que diretamente se relacionam com animais, para que adotem boas práticas de proteção individual, evitando contato direto com material biológico, preservando a própria saúde e alertar para que não se constituam em agente de disseminação da doença.

MORMO: IMPACTO ECONÔMICO NO BRASIL

Por se tratar de uma das doenças de notificação obrigatória, pela Organização Mundial de Saúde Animal, os órgãos sanitários oficiais dos países vizinhos adotam medidas de controle desta doença em seus territórios e fecham as fronteiras com o Brasil, o que acarreta transtornos e prejuízos para a equideocultura nacional. Medidas internas para contenção do avanço do mormo no Brasil são onerosas e também sentidas pelo mercado interno. Os principais fatores são a obrigatoriedade do diagnóstico, notificação de positividade aos órgãos públicos de vigilância, sacrifício dos animais positivos e interdição da propriedade, inviabilizando a equideocultura.

Fernando Leandro dos Santos/UFR Pernambuco

Fernando Leandro dos Santos/UFR Pernambuco


Fernando Leandro dos Santos/UFR Pernambuco

texto original: CRMV-SP Mormo

             
Rua Apeninos, 1.088 – Paraíso – São Paulo
Cep: 04104-021 – SP   [Mapa]

Fone: (11) 5908 4799 – Fax: (11) 5084 4907
Expediente: Segunda a sexta, das 8h às 12h e das 13h às 16h

LINFOMA – RELATO DE CASO

Publicado: 26 de outubro de 2015 em CASOS CLÍNICOS
Tags:, ,

LINFOMA GENERALIZADO OU MULTICÊNTRICO – Relato de caso

https://i0.wp.com/www.horsedvm.com/assets/img/images/symptoms/weight-loss/4.jpg

Foto internet

LINFOMA

Linfoma, embora rara, é a neoplasia hemolinfática hematopoiética mais comum encontrada em cavalos, podendo ocorrer em qualquer idade, sendo cavalos 4-10 anos mais comumente afetados. Os linfomas são classificados anatomicamente em generalizado ou multicêntrico, alimentar ou intestinal, mediastinal ou tímica e cutânea. Os sinais clínicos não são específicos até que a doença progrida ao final do estágio, em que os órgãos acometidos já apresentem acometimento de suas funções. Cavalos com a forma cutânea apresentam lesões multifocais sem outros sinais clínicos.
Como os sinais clínicos não são específicos, os resultados de hemogramas e as bioquímicas séricas não são muitas vezes úteis ao diagnóstico, mas devemos considerar casos de uma anemia persistente , hiper-fibrinogenaemia, e hiperproteinemia, hipoalbuminemia observadas sem uma clara indicação de doenças infecciosas. Normalmente, a confirmação ante mortem do linfoma é feita através de exame histopatológico através de uma biópsia ou exame citológico aspirado com agulha fina de uma lesão suspeita. A observação de compressão ou destruição da arquitetura do tecido normal invadido por células neoplásicas durante o exame histológico é indicativa de linfoma.
Diagnósticos adicionais que podem melhorar nossa suspeita de linfoma, incluem: detecção de receptores hormonais, imunofenotipagem e análise imunohistoquímica para a proliferação de taxas tumorais . O prognóstico depende da forma do linfoma e fase em que o cavalo é apresentado, mas a morte é o resultado comum desta doença.
Opções de tratamento atual são: excisão cirúrgica, radiação ou a administração de medicamentos quimioterápicos.
O tratamento dos cavalos com linfoma podem resultar em paliação e rara resolução desta doença.

CASO CLÍNICO

Este estudo é um relato de caso sobre um cavalo macho, 20 anos, raça Brasileiro de Hipismo com histórico e sinais de dispneia, sudorese, anorexia, nódulos cutâneos e emagrecimento progressivo. O proprietário do animal me chamou após avaliar o emagrecimento progressivo por 30 dias, durante esse período o cavalo não apresentou síndrome cólica ou outro tipos de ocorrências. O histórico de inapetência, emagrecimento progressivo se pronunciou muito aos 35 dias e a presença de um edema no peito e nódulos firmes no corpo eram bem evidentes. Ao exame físico foram observadas alterações clínicas como taquicardia, taquipneia, linfadenopatia de linfonodos submandibular e pré-escapulares, edema ventral, normotermia, score corporal 3; o perfil hematológico mostrou hiperfibrinogenemia, hiperproteinemia neutrofilia e linfopenia. O animal foi eutanasiado no segundo dia após o encaminhamento para internação hospitalar por piora do quadro, sendo realizado o exame de necropsia. Posteriormente, com os achados necroscópicos e histopatológicos foi confirmado o diagnóstico de linfoma multicêntrico.

DISCUSSÃO

Ao chegar a propriedade e me deparar com um animal dispneico, taquicárdico e extremamente debilitado, inclusive com sinais de toxemia como tpc 3′ e mucosas congestas, não havia muito o que fazer no local. a escuta pulmonar apontava algumas áreas com edema e a propagação dos sons cardíacos confirmavam um lesão pulmonar. os nódulos esparsos em todo animal, me chamaram muita a atenção, (em tempos de mormo…), eram firmes, aderidos a musculatura, não obedeciam um padrão e não geravam dor ao animal. A tentativa de estabilização com dexametasona, flunixin meglumina foi feita para apenas encaminhar ao hospital (estava em dúvidas se chegaria vivo). Sinceramente, não pensei em linfoma e sim em erliquiose, ou mesmo uma infeção pulmonar grave, quanto aos nódulos? vamos primeiro tentar retirar o animal deste quadro…
No hospital (EQUIVET), prontamente fizeram hematócrito (28), pt total (10), e coleta para hemograma completo, fluido com soluções poliônicas, expansores plasmáticos e após a gasometria, início da terapia controle (hipercalemia e acidose respiratória).
O ultrassom mostrou uma área bilateral com presença de exsudato na pleura e os nódulos aderidos ao parênquima pulmonar, musculatura e linfonodos. o prognóstico a essa altura era muito ruim. O exame físico piorava muito e a dificuldade respiratória começava a dar sinais de aumento do edema. Após aproximadamente 20 horas, decidimos pela eutanásia.
As suspeitas se confirmaram na necrópsia…e posterior histopatologia.
Uma neoplasia rara, (1% dos casos), no Brasil apenas uns 10 casos desde 2008, que pode confundir muito o clinico (ainda mais nessa época aonde o Mormo está em voga!). O fato do cavalo não apresentar catarro, ou sinais de infeções, apenas um edema grande de membros e ventre, me levou a pensar em um quadro anêmico severo, mesmo porque a existência de carrapatos na propriedade é grande. um outro fato, 7 animais que conviviam juntos, porque apenas um deles emaciado, porque os outros não? pelo menos um acalanto em diferenciar doenças infecto-contagiosas….
Um caso raro, com um diagnóstico difícil e prognóstico ruim…
CONCLUSÃO

O linfoma é uma doença com sinais clínicos inespecíficos e bastante variados com evolução rápida ao óbito. Sinais como
emagrecimento progressivo, edema ventral extenso, nódulos cutâneos e linfadenopatia devem ser considerados indícios para que esta neoplasia seja incluída no diagnóstico diferencial. Um ultimo fator que me chamou muito a atenção: a velocidade de progressão, do inicio do processo ao fim, apenas 45 dias. O tratamento deste tipo de neoplasia, mesmo que inicial deve necessariamente ser avaliada, pois o insucesso e previsível. No caso de apenas nódulos cutâneos, o início deve ser o mais rápido possível, e assim mesmo as chances de recidivas e metástases em órgãos pode ser grande.
Não postarei vídeos ou fotos do animal, em respeito aos seus proprietários.

Abaixo uma gama de trabalhos para consulta:

1 Tutorial Articleeve_200 205..213 Equine lymphoma J. Taintor* and S. Schleis Department of Clinical Sciences, College of Veterinary Medicine, Auburn University, Alabama, USA

2 Equine Cancer Breast, ovarian, prostate and testicular cancers are common in humans. Do they occur in horses, too? by L.A. Pomeroy

3 EQUINE LYMPHOMA Lymphosarcoma, Malignant Lymphoma See more at: http://www.horsedvm.com/disease/equine-lymphoma/

4 Linfoma de células T multicêntrico em um equino quarto de milha Multicentric T Cell Lymphoma in a Quarter Horse Camila Gonçalves de Campos1 , Leticya Lerner Lopes1 , Gustavo Souza e Silva1 , Raquel Aparecida Sales da Cruz2 , Pamella Cristie Gimenez Falsoni1 , André Luiz Hoeppner Rondelli3 , Michele Ângelo Luis3 , Regina de Cássia Veronezi3 & Caroline Argenta Pescador

5 Linfoma multicêntrico em cavalo: relato de caso Multicentric lymphoma in horse: case review Thais Gislon da Silva,* Ivan Deconto,** Peterson Dornbusch,** Ivan Roque de Barros Filho,** Renato Silva de Souza**

6 Clinical, Laboratory, and Histopathologic Features of Equine Lymphoma

  1. J. Meyer1,
  2. J. DeLay2 and
  3. D. Bienzle1

+Author Affiliations


  1. 1Department of Pathobiology, University of Guelph, Guelph, Ontario, Canada

  2. 2Animal Health Laboratory, University of Guelph, Guelph, Ontario, Canada
  3. Dr. D. Bienzle, Department of Pathobiology, University of Guelph, Guelph, ON N1G 2W1 (Canada). E-mail: dbienzle@uoguelph.ca.
  1.  
    Two Hundred Three Cases of Equine Lymphoma Classified According to the World Health Organization (WHO) Classification Criteria
  1. A. C. Durham1,
  2. C. A. Pillitteri2,
  3. M. San Myint3 and
  4. V. E. Valli4

+Author Affiliations


  1. 1Department of Pathobiology, University of Pennsylvania University of Pennsylvania, School of Veterinary Medicine, Philadelphia, PA, USA

  2. 2Department of Pathobiology, University of Tennessee, College of Veterinary Medicine, Knoxville, TN, USA

  3. 3Department of Clinical Medicine College of Veterinary Medicine University of Illinois, Urbana, IL, USA

  4. 4VDx Veterinary Diagnostics, Davis, CA, USA

    Amy. C. Durham, University of Pennsylvania SVM, Department of Pathobiology, 3800 Spruce St, 310 Rosenthal Bldg, Philadelphia, PA 19104-6051, USA Email:amycd@vet.upenn.edu