LINFOMA – RELATO DE CASO

Publicado: 26 de outubro de 2015 em CASOS CLÍNICOS
Tags:, ,

LINFOMA GENERALIZADO OU MULTICÊNTRICO – Relato de caso

https://i0.wp.com/www.horsedvm.com/assets/img/images/symptoms/weight-loss/4.jpg

Foto internet

LINFOMA

Linfoma, embora rara, é a neoplasia hemolinfática hematopoiética mais comum encontrada em cavalos, podendo ocorrer em qualquer idade, sendo cavalos 4-10 anos mais comumente afetados. Os linfomas são classificados anatomicamente em generalizado ou multicêntrico, alimentar ou intestinal, mediastinal ou tímica e cutânea. Os sinais clínicos não são específicos até que a doença progrida ao final do estágio, em que os órgãos acometidos já apresentem acometimento de suas funções. Cavalos com a forma cutânea apresentam lesões multifocais sem outros sinais clínicos.
Como os sinais clínicos não são específicos, os resultados de hemogramas e as bioquímicas séricas não são muitas vezes úteis ao diagnóstico, mas devemos considerar casos de uma anemia persistente , hiper-fibrinogenaemia, e hiperproteinemia, hipoalbuminemia observadas sem uma clara indicação de doenças infecciosas. Normalmente, a confirmação ante mortem do linfoma é feita através de exame histopatológico através de uma biópsia ou exame citológico aspirado com agulha fina de uma lesão suspeita. A observação de compressão ou destruição da arquitetura do tecido normal invadido por células neoplásicas durante o exame histológico é indicativa de linfoma.
Diagnósticos adicionais que podem melhorar nossa suspeita de linfoma, incluem: detecção de receptores hormonais, imunofenotipagem e análise imunohistoquímica para a proliferação de taxas tumorais . O prognóstico depende da forma do linfoma e fase em que o cavalo é apresentado, mas a morte é o resultado comum desta doença.
Opções de tratamento atual são: excisão cirúrgica, radiação ou a administração de medicamentos quimioterápicos.
O tratamento dos cavalos com linfoma podem resultar em paliação e rara resolução desta doença.

CASO CLÍNICO

Este estudo é um relato de caso sobre um cavalo macho, 20 anos, raça Brasileiro de Hipismo com histórico e sinais de dispneia, sudorese, anorexia, nódulos cutâneos e emagrecimento progressivo. O proprietário do animal me chamou após avaliar o emagrecimento progressivo por 30 dias, durante esse período o cavalo não apresentou síndrome cólica ou outro tipos de ocorrências. O histórico de inapetência, emagrecimento progressivo se pronunciou muito aos 35 dias e a presença de um edema no peito e nódulos firmes no corpo eram bem evidentes. Ao exame físico foram observadas alterações clínicas como taquicardia, taquipneia, linfadenopatia de linfonodos submandibular e pré-escapulares, edema ventral, normotermia, score corporal 3; o perfil hematológico mostrou hiperfibrinogenemia, hiperproteinemia neutrofilia e linfopenia. O animal foi eutanasiado no segundo dia após o encaminhamento para internação hospitalar por piora do quadro, sendo realizado o exame de necropsia. Posteriormente, com os achados necroscópicos e histopatológicos foi confirmado o diagnóstico de linfoma multicêntrico.

DISCUSSÃO

Ao chegar a propriedade e me deparar com um animal dispneico, taquicárdico e extremamente debilitado, inclusive com sinais de toxemia como tpc 3′ e mucosas congestas, não havia muito o que fazer no local. a escuta pulmonar apontava algumas áreas com edema e a propagação dos sons cardíacos confirmavam um lesão pulmonar. os nódulos esparsos em todo animal, me chamaram muita a atenção, (em tempos de mormo…), eram firmes, aderidos a musculatura, não obedeciam um padrão e não geravam dor ao animal. A tentativa de estabilização com dexametasona, flunixin meglumina foi feita para apenas encaminhar ao hospital (estava em dúvidas se chegaria vivo). Sinceramente, não pensei em linfoma e sim em erliquiose, ou mesmo uma infeção pulmonar grave, quanto aos nódulos? vamos primeiro tentar retirar o animal deste quadro…
No hospital (EQUIVET), prontamente fizeram hematócrito (28), pt total (10), e coleta para hemograma completo, fluido com soluções poliônicas, expansores plasmáticos e após a gasometria, início da terapia controle (hipercalemia e acidose respiratória).
O ultrassom mostrou uma área bilateral com presença de exsudato na pleura e os nódulos aderidos ao parênquima pulmonar, musculatura e linfonodos. o prognóstico a essa altura era muito ruim. O exame físico piorava muito e a dificuldade respiratória começava a dar sinais de aumento do edema. Após aproximadamente 20 horas, decidimos pela eutanásia.
As suspeitas se confirmaram na necrópsia…e posterior histopatologia.
Uma neoplasia rara, (1% dos casos), no Brasil apenas uns 10 casos desde 2008, que pode confundir muito o clinico (ainda mais nessa época aonde o Mormo está em voga!). O fato do cavalo não apresentar catarro, ou sinais de infeções, apenas um edema grande de membros e ventre, me levou a pensar em um quadro anêmico severo, mesmo porque a existência de carrapatos na propriedade é grande. um outro fato, 7 animais que conviviam juntos, porque apenas um deles emaciado, porque os outros não? pelo menos um acalanto em diferenciar doenças infecto-contagiosas….
Um caso raro, com um diagnóstico difícil e prognóstico ruim…
CONCLUSÃO

O linfoma é uma doença com sinais clínicos inespecíficos e bastante variados com evolução rápida ao óbito. Sinais como
emagrecimento progressivo, edema ventral extenso, nódulos cutâneos e linfadenopatia devem ser considerados indícios para que esta neoplasia seja incluída no diagnóstico diferencial. Um ultimo fator que me chamou muito a atenção: a velocidade de progressão, do inicio do processo ao fim, apenas 45 dias. O tratamento deste tipo de neoplasia, mesmo que inicial deve necessariamente ser avaliada, pois o insucesso e previsível. No caso de apenas nódulos cutâneos, o início deve ser o mais rápido possível, e assim mesmo as chances de recidivas e metástases em órgãos pode ser grande.
Não postarei vídeos ou fotos do animal, em respeito aos seus proprietários.

Abaixo uma gama de trabalhos para consulta:

1 Tutorial Articleeve_200 205..213 Equine lymphoma J. Taintor* and S. Schleis Department of Clinical Sciences, College of Veterinary Medicine, Auburn University, Alabama, USA

2 Equine Cancer Breast, ovarian, prostate and testicular cancers are common in humans. Do they occur in horses, too? by L.A. Pomeroy

3 EQUINE LYMPHOMA Lymphosarcoma, Malignant Lymphoma See more at: http://www.horsedvm.com/disease/equine-lymphoma/

4 Linfoma de células T multicêntrico em um equino quarto de milha Multicentric T Cell Lymphoma in a Quarter Horse Camila Gonçalves de Campos1 , Leticya Lerner Lopes1 , Gustavo Souza e Silva1 , Raquel Aparecida Sales da Cruz2 , Pamella Cristie Gimenez Falsoni1 , André Luiz Hoeppner Rondelli3 , Michele Ângelo Luis3 , Regina de Cássia Veronezi3 & Caroline Argenta Pescador

5 Linfoma multicêntrico em cavalo: relato de caso Multicentric lymphoma in horse: case review Thais Gislon da Silva,* Ivan Deconto,** Peterson Dornbusch,** Ivan Roque de Barros Filho,** Renato Silva de Souza**

6 Clinical, Laboratory, and Histopathologic Features of Equine Lymphoma

  1. J. Meyer1,
  2. J. DeLay2 and
  3. D. Bienzle1

+Author Affiliations


  1. 1Department of Pathobiology, University of Guelph, Guelph, Ontario, Canada

  2. 2Animal Health Laboratory, University of Guelph, Guelph, Ontario, Canada
  3. Dr. D. Bienzle, Department of Pathobiology, University of Guelph, Guelph, ON N1G 2W1 (Canada). E-mail: dbienzle@uoguelph.ca.
  1.  
    Two Hundred Three Cases of Equine Lymphoma Classified According to the World Health Organization (WHO) Classification Criteria
  1. A. C. Durham1,
  2. C. A. Pillitteri2,
  3. M. San Myint3 and
  4. V. E. Valli4

+Author Affiliations


  1. 1Department of Pathobiology, University of Pennsylvania University of Pennsylvania, School of Veterinary Medicine, Philadelphia, PA, USA

  2. 2Department of Pathobiology, University of Tennessee, College of Veterinary Medicine, Knoxville, TN, USA

  3. 3Department of Clinical Medicine College of Veterinary Medicine University of Illinois, Urbana, IL, USA

  4. 4VDx Veterinary Diagnostics, Davis, CA, USA

    Amy. C. Durham, University of Pennsylvania SVM, Department of Pathobiology, 3800 Spruce St, 310 Rosenthal Bldg, Philadelphia, PA 19104-6051, USA Email:amycd@vet.upenn.edu



		

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s